Sibrages

Nossos Artigos

A intrigante decisão do PANAM SPORTS OLÍMPICO e do COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU em relação aos Esports

A intrigante decisão do PANAM SPORTS OLÍMPICO e do COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU em relação aos Esports
Expired

Excelência, respeito e amizade, os 'Valores do Olimpismo'. Aliando a estes valores: igualdade, determinação, inspiração e coragem, temos os 'Valores Olímpicos'.

Em tese, na semântica utilizada pelo conceito textual da escrita romântica, e na narrativa de diversas palestras gritadas com os pulmões cheios de ar, inaladas com inspiração profunda e quase divina, há preceitos, valores éticos e morais que nos induzem ao aperfeiçoamento o impulso , onde nos encontramos num lugar protegido, sob a tutela de pessoas conscientes destes valores e dos seus significados literais e tão necessários. Porém, como em muitos momentos de diversas situações do nosso cotidiano, a prática é relevantemente contrária ao real significado desses valores, que devem ser aplicados não só por quem participa do Movimento Olímpico, mas sobretudo no dia a dia. de nossas vidas em quaisquer ações de nossos deveres diários, sejamos ou não participantes práticos do Movimento Olímpico, mas mesmo como observadores e torcedores do Movimento Olímpico e seus Jogos Olímpicos, com seus atletas e delegações, fazemos parte indiretamente deste ecossistema.

Mas a que preço devemos sacrificar a realidade do que realmente nos acontece, em todos os níveis de experiência que temos, como nos negócios e na empresa, para que isso seja colocado em prática? Para torná-lo nossa realidade?

Em seu site, o Movimento Olímpico, liderado e tutelado intelectual e operacionalmente pelo Comitê Olímpico Internacional, escreveu sobre os Valores do Olimpismo:

“...Eles constituem a base sobre a qual o Movimento Olímpico constrói suas atividades de promoção do esporte, da cultura e da educação com vistas à construção de um mundo melhor....

... Os Valores originais do Olimpismo expressos na Carta Olímpica eram “esforço encorajador”, “preservar a dignidade humana” e “desenvolver a harmonia”.

Com o tempo, eles evoluíram e agora são expressos em termos mais contemporâneos, como:

Buscar a excelência e incentivar as pessoas a serem o melhor que podem ser.

Celebrar a amizade, que é exclusivo dos Jogos Olímpicos – um evento que une as pessoas a cada poucos anos.

Demonstre respeito de várias formas: respeito a si mesmo, às regras, aos adversários, ao meio ambiente, ao público, etc...

... O Olimpismo é uma filosofia de vida, exaltando e combinando em um todo equilibrado as qualidades do corpo, vontade e mente. Misturando desporto com cultura e educação, o Olimpismo procura criar um estilo de vida baseado na alegria do esforço, no valor educativo do bom exemplo e no respeito pelos princípios éticos fundamentais universais.

O objetivo do Movimento Olímpico é contribuir para a construção de um mundo pacífico e melhor, educando os jovens por meio do esporte praticado sem qualquer tipo de discriminação e no espírito olímpico, que exige entendimento mútuo com espírito de amizade, solidariedade e fair play ...”

Devemos acreditar que esses preceitos inerentes à Carta Olímpica são o farol de luz orientador de todas as ações do Movimento Olímpico, das Competições Olímpicas e do Comitê Olímpico Internacional que salvaguarda e representa essas ações e demandas de seus Corpos Olímpicos Continentais ser o mesmo protector e promotor destes mesmos Valores Olimpístas.

Acreditando nestes pontos, importa ter consciência da total falta de memória, real aplicação daqueles valores e observância dos mesmos Valores do Olimpismo, e dos Valores do Movimento Olímpico, que literalmente rasgam em pedaços a Carta Olímpica que, de certa forma, acontece quando os Comitês Olímpicos Continentais, como o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), agem com desatenção, disrupção negativa e malévola – e ao fazer isso, estão espalham desinformação diretamente por meio de sua atitude unilateral e escolha partidária – ao escolher uma dita “entidade internacional de esports, fundada em 2019" ( aliás com zero experiência em eventos de esports, sem regulamento interno, estatuto, sem infraestrutura, sem ambiente Legal e regularmente formado por comitês através de regimento interno, e total falta de transparência ), e começar a trabalhar promovendo esports nas Américas e na Europa em "parcerias estratégicas"?

E indiretamente o comitê olímpico PANAM e os comitê olímpico EUROPEU, estão apoiando um grande erro, como expliquei acima, espalhando FAKE NEWS, disrupção negativa e brigas internas em nível nacional, rasgando em paz os Valores do Olimpismo. Através desta "parceria estratégica", o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), apoiam esta "entidade internacional de esports, fundada em 2019", para divulgar nacional e regionalmente, a falsa declaração (portanto desinformação e fake news), que são eles os “devidamente empossados” para a prática de ações competitivas, no âmbito dos esports, exclusivamente para esta ação decorrente da escolha equivocada, inadequada e totalmente fora do contexto dos Valores Olímpicos, feita pelas entidades PANAM SPORTS OLYMPIC ( PSO) e COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), em favor e exclusivamente à “entidade internacional de esports, fundada em 2019”, enquanto não há entendimento internacional, por mais tardio e devido, de quem é a entidade para representar administrativamente o esports institucional em nível internacional, como é feito com vários esportes regulares, como futebol, basquete e assim por diante.

Aí vem a pergunta de ouro : "Quais critérios levaram a Panam Sports Olympic (PSO) e o European Olympic Committee ( EOC ) a escolher uma entidade em detrimento da outra ? Por que eles nunca atenderam o chamado do órgão governamental de esports continental na América (PAMESCO) nem na Europa (EEF), depois de tantos anos tentando fazê-lo e apresentar o esports institucional?". Vou perguntar novamente mais tarde no artigo.

O mínimo esperado de uma entidade cuja atuação está diretamente ligada ao Comitê Olímpico Internacional (COI), como o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), seria neutralidade e promoção independente dos esports, se esse fosse a real intenção interna dessas entidades, para essas regiões, que achamos que deveria ser: " promover esta nova categoria, com a devida orientação técnica, esportiva, política e social de sua organização matriz: o Comitê Olímpico Internacional e, acima de tudo, agregar ao esports VALOR DO OLIMPISMO e VALORES DO MOVIMENTO OLÍMPICO, orientando, sendo o exemplo a ser seguido, infelizmente é claro que o exemplo é exatamente o contrário, e não deve ser seguido.

O Sr. Pierre de Coubertin deve estar muito desapontado onde quer que esteja agora, na verdade acho que ele está desapontado por vários motivos e não apenas este, mas esta é outra conversa.

O ecossistema institucional dos esports, a princípio e especificamente o modelo federativo (esports institucionais), em qualquer âmbito, vem sendo construído com muita dificuldade por diversos motivos que não poderíamos discutir aqui, mas que certamente já foram discutidos em outros artigos que eu mesmo escrevi, além de debates. e vários fóruns dos quais participei em diferentes lugares do mundo.

Este ecossistema é frágil, por motivos já conhecidos, e principalmente por dois motivos:

1) educação e experiência, e

2) por razões técnicas e políticas. Mais especificamente quando se trata de entidades nacionais que pretendem ser administradoras da categoria em seus próprios países.

Para o primeiro item, a formação e a experiência, as pessoas vinculadas ao modelo federativo, em sua maioria, são inexperientes no âmbito da gestão administrativa e operacional, ainda mais quando se trata dessas duas áreas no sistema esportivo institucional nacional e internacional , e sua falta de expertise e conhecimento da cadeia da pirâmide administrativa internacional, somada à falta de apoio financeiro e de infraestrutura nos modelos de gestão e operação, os leva a seguir caminhos tortuosos e incorretos em suas decisões, em parte por essa falta de educação e experiência em sistemas de gestão desportiva, e em parte por falta de quem os eduque, que neste caso deveria ser a entidade internacional e continental a que pertencem estas entidades nacionais.

Por outro lado, para o segundo item, razões técnicas e políticas, em países onde haja garantia constitucional de liberdade de associação a quaisquer entidades desportivas nacionais, e a não obrigatoriedade da prerrogativa de não interferência de entidades governamentais na livre prática do esporte, sempre garantidos constitucionalmente, o direito de cada cidadão associar-se ou não a entidades administrativas de classe, inclusive os órgãos administrativos nacionais do esporte, conforme explicado anteriormente, e também a livre prática esportiva sem a necessidade de obtenção de autorização indicativa do governo . O Brasil é um desses casos.

Em outros governos, essa escolha do órgão administrativo desportivo nacional, é de responsabilidade única e exclusiva do governo, como no caso do México, em detrimento do próprio Comitê Olímpico Mexicano, e em outros países, o governo segue a indicação da entidade decorrente da nomeação feita pelo Comitê Olímpico Nacional. Na Europa temos a mesma situação.

Muitos países americanos e europeus ainda têm duas ou mais entidades nacionais que são filiadas a uma ou outra federação internacional de esports, como órgãos reguladores nacionais, mas com enormes e significativas diferenças, seja no nível administrativo, seja no legal documental, mas especialmente quando promovem a prática de esports, projetos sociais e educacionais em seu país. Então , podemos ter diferentes federações nacionais em muitos países, mas sabemos quem é quem por suas ações em seus países, e isso reflete diretamente nas federações internacionais às quais estão filiados.

O fato de os critérios de filiação utilizados por uma federação internacional de esports, na escolha de entidades nacionais, efetuadas por entidades internacionais, deverem, desde já, ter em conta os seus anos de vida prática e outros fatores extremamente importantes na investigação dessas mesmas entidades nacionais, para além aos seus documentos legais, nomeadamente o cumprimento dos tratados bilaterais de apoio e reconhecimento e amizade que estas entidades nacionais têm para si, vindos de outras entidades desportivas e de outras organizações de diferentes áreas.

O fato é que ao invés de promover qualquer um dos Valores Olímpicos, a atitude de optar por trabalhar com esta "entidade internacional de esports, fundada em 2019", como fizeram o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), é totalmente negativo e adverso ao bom comportamento administrativo que se espera de tais entidades, porque a nível nacional nas Américas e na Europa, como dito antes, causa perturbação onde deveríamos ter amizade , causa desinformação onde deveríamos educar , é causa brigas onde deveríamos ter respeito , comparações negativas onde deveríamos ter inspiração , causa decepções onde deveríamos ter inspiração , causa guerra onde deveríamos ter a promoção de um mundo pacífico , e acima de tudo causa discriminação , onde deveríamos ter o oposto disso.

Todas as consequências, justamente por promover o contrário do que temos na Carta Olímpica, conforme afirmado onze parágrafos acima utilizando o trecho retirado do próprio site do Comitê Olímpico Internacional. Neste “jogo” feito pelo PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), o fair play foi substituído por um comportamento contrário a quaisquer preceitos do bom comportamento olímpico , deixando-nos questionar as motivações, bases e parâmetros , os critérios , que os levaram a fazer parceria com esta "entidade internacional de esports, fundada em 2019", em detrimento de tantas outras (PAMESCO, EEF, e sobretudo a IESF internacional), que há muitos anos procuram dialogar com o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), sem qualquer sucesso, ou mesmo a menor possibilidade inicial de diálogo.

Se por influência política e gerencial, feita através das “amizades” de ex-parceiros de trabalho, como sabemos existe uma possibilidade muito forte sobre isso, seja por questões financeiras, isso gera um conflito de interesses sem precedentes, uma vergonha na atual realidade do nosso cotidiano life, onde buscamos, mais do que nunca, o compliance na gestão administrativa, e sua prática e aplicação através da transparência, retidão e honestidade.

Aliás, para promover esta escolha de tal “entidade internacional de esports, fundada em 2019”, decorrente desta decisão equivocada e ilógica, em relação ao atual momento do esports institucional, feita pelo PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), em detrimento de outra entidade internacional de esports, mais antiga e mais sábia, ou mesmo das entidades continentais como PAMESCO e EFF - que atuam nas Américas e Europa há pelo menos seis anos, no caso da região americana - permitem que alguns desses organismos nacionais, pertencentes a esta "entidade internacional de esports, fundada em 2019", façam exatamente o contrário dos Valores do Olimpismo e apresentados na Carta Olímpica, nos seus países, e põem em causa o trabalho de muitos entidades nacionais, que não fazem parte desta dita "entidade internacional de esports, fundada em 2019". Outras federações nacionais da antiga federação internacional de esports por exemplo, vêm fazendo seu trabalho há anos, de forma exemplar, promovendo ainda mais que os próprios Valores do Olimpismo, como é o caso do Brasil com a CBDEL (filiada a IESF, WESCO e PAMESCO), assim como muitos outros países, e que tem em sua primazia a responsabilidade de preservar atletas e equipes pertencentes aos seus sistemas.

Soubemos inclusive que em reunião promovida no dia 09 de novembro de 2022, entre o PANAM SPORTS OLYMPIC (PSO) e essa “entidade internacional de esports fundada em 2019”, através de testemunhas participando dessa reunião e de vídeo dessa reunião, que houve um recomendação DIRETA para que os Comitês Olímpicos Nacionais fundassem ou formassem entidades ou organizações nacionais, para a promoção das atividades advindas dessa parceria, em especial para o ano de 2023, caso esses países não tivessem membros nacionais de esports filiados a essa dita entidade internacional de esports fundada em 2019. Ainda que isso seja impossível técnica e legalmente, em alguns países como o Brasil, isso é uma atitude inescrupulosa, imoral e indigna do Movimento Olímpico Internacional, nesse caso específico representado pelo PANAM SPORTS, totalmente contra o que acreditamos, como já demonstrado aqui através da Carta Olímpica e dos Valores do Olimpismo, que o Comitê Olímpico Internacional preze e faça valer em seu dia a dia perante todo o mundo. Tal atitude tem consequências imensuráveis negativamente, em níveis Legais, sociais e educacionais sem precedentes.

Esta é uma situação tremendamente perigosa e terrível para possivelmente promover as entidades nacionais erradas apenas porque , eventualmente, em vez das entidades nacionais certas, e provavelmente essas outras entidades podem não ter feito NADA no passado (a maioria das federações nacionais fazem parte disso " entidade internacional de esports, fundada em 2019"), a maioria delas fundada recentemente, literalmente nada fazendo quanto à sua real responsabilidade na educação, inovação, inclusão social e promoção da excelência nos esports institucionais (federativos), e aliás, algumas dessas entidades, pode até estar fazendo o oposto completo.

A inobservância de detalhes tão intrínsecos à ética e à moral na prática da boa administração, e o exemplo a ser dado por entidades como o PANAM SPORTS OLÍMPICO e o COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU, nos deixa com vários questionamentos, como já fizemos três parágrafos acima , e leva-nos a ter menos confiança na gestão das entidades desportivas a esse nível, sem perder a fé no Movimento Olímpico e nos seus valores, que foram e são exemplos do que a humanidade tem para oferecer.

Sei que, na maioria das vezes, a melhor forma de se fazer perceber e entender é o silêncio, e que devemos mostrar o que queremos ser, apenas através do nosso trabalho. Mas enquanto o lado esquecido, a federação internacional de esports (IESF) nem as confederações continentais de esports (PAMESCO e EEF), aquelas não escolhidas nas Américas pelo PANAM SPORTS OYMPIC (PSO) e na Europa pelo COMITÊ OLÍMPICO EUROPEU (EOC), permanece em silêncio. Creio ter o dever de trazer os fatos aqui devidos, reais e corretos. Às vezes nosso trabalho silencioso é visto, mas não compreendido, e nessas horas precisamos gritar para que nosso silêncio seja ouvido.

Connect

Stay On The Loop

Subscribe to our news letter to get the lattest Yoga news

Empresas que acreditam nos #esportesdigitaisbrasil

Rybena
Rise MKT
Joomshaper
Voip do Brasil
K7 Uniformes
Certificada e Filiada com Exclusividade
ME
ME
ME
ME
Parceira e Reconhecida Bilateralmente com Exclusividade pelas Entidades
AESF
ACDS
Reconhecida Bilateralmente com Exclusividade pelas Agências
China ME
CECC
DSES-CECC
CADPA
Certificada e Filiada com Exclusividade
ME
ME
ME
ME
ME
Image
ENTIDADE CERTIFICADA
Image
Centro Empresarial Varig, 12° Andar, Scn, Quadra 4, Bloco B, 100, Asa Norte, 70, Brasília, DF, 70714-900

contato@cbdel.com.br
+55 11 5199-3820

Para Núcleo. Comercial

Para Núcleo Esportes Digitais